Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sapos do Ano

Evento independente que visa premiar os melhores blogues da nossa praça (não ligado a qualquer plataforma/empresa ou entidade)

Sapos do Ano

Evento independente que visa premiar os melhores blogues da nossa praça (não ligado a qualquer plataforma/empresa ou entidade)

25.11.19

Finalistas 2019 - Existe um Olhar

Hoje conversámos com uma das finalistas do Sapos do Ano, na categoria de Fotografia, a Manuel. Ela é autora do blog Existe um Olhar.

  1. Conta-nos como foi o nascimento do teu blog. Inicialmente comecei com um blog de escrita e de vez em quando colocava uma foto.
    Um dia um amigo  propôs-me que fizesse um blog só de fotos.
    Como eu não sabia como se fazia, dei-lhe carta branca para construir o" O Existe um Olhar". Hoje apesar de outros que tenho é à fotografia que me dedico.
  2. Como tem sido a interacção com outros bloggers? A minha interacção com os  outros bloggers tem sido óptima, já conheci alguns pessoalmente e criámos verdadeiros laços de amizade.
    O saldo tem sido positivo.
  3. O que achas que leva as pessoas a gostarem do teu blog e a seguirem-te? Penso que o que leva as pessoas a gostarem do meu blog é divulgar os muitos lugares que tenho visitado por esse mundo fora.
  4. Consideras que o teu blog está bem categorizado nos Sapos do Ano? Ainda não fui ver como está o meu blog, mas só o facto de estar nomeada deixa-me feliz.
  5. Quem levarias contigo para a ilha de Adão e Eva? O que levaria para a ilha de Adão e Eva, seriam todos os que visitam e comentam e mesmo não os conhecendo todos, sinto que  a maior parte deles são meus amigos..

E ainda deixou-nos uma mensagem:

"Vivo sozinha, tenho um filho já independente.
A blogosfera foi uma maneira que encontrei para colmatar os meus momentos de solidão.
Gosto de viajar e tenho feito viagens incríveis que me marcaram para a vida toda.
Tenho consciência de que ainda muito tenho de aprender a nível fotográfico. Já fiz muitos workshops e inscrevi-me no MEF (Movimento de Expressão Fotográfica) e com eles tenho feito algumas viagens sempre aprendendo, porque os pequenos grupos vão acompanhados por dois fotógrafos que nos ajudam e tiram dúvidas. Tornei-me mais atenta aos pormenores.
Concluindo:
Fotografar é uma paixão, um escape, uma terapia, porque enquanto ando com a máquina na mão , não penso em mais nada. "

 

Podem votar nesta final aqui

24.11.19

Finalistas 2019 - Alice Alfazema

Hoje conversámos com uma das finalistas do Sapos do Ano, na categoria Generalista, a Alice. Ela é autora do blog  Alice Alfazema.

 
  1. Conta-nos como foi o nascimento do teu blog. O meu blog nasceu de parto normal, veio ao mundo meio envergonhado, mas hoje já tem quase dez anos, está crescido e deixou a timidez de lado.
  2. Como tem sido a interacção com outros bloggers? A interacção com outros bloggers tem sido muito boa, tenho conhecido gente fantástica, que me motiva, que me espevita a imaginação, no geral não tenho nada para me queixar. Sou no entanto um pouco preguiçosa para responder aos comentários. Não tenho muito tempo. Desculpem. 
  3. O que achas que leva as pessoas a gostarem do teu blog e a seguirem-te? A surpresa e a observação do universo mais básico.
  4. Consideras que o teu blog está bem categorizado nos Sapos do Ano? Não percebo muito bem o que significa ser generalista, eu diria que para mim este termo não faz sentido, é muito superficial, dá a sensação que não há pensamento crítico, quando é isso que mais valorizo no meu espaço, a arte de saber pensar, mesmo que seja nas coisas mais simples do quotidiano. 
  5. Quem levarias contigo para a ilha de Adão e Eva? Levava o meu companheiro de vida, e um descaroçador de maçãs.  
 
 
E ainda deixou-nos uma mensagem:
 
 
Porque as coisas simples valem tão pouco, mas têm tanta importância?
 
 
Podem votar nesta final aqui
24.11.19

Finalistas 2019 - Kiosk da Joana

Hoje conversámos com uma das finalistas do Sapos do Ano, na categoria Família, a Joana. Ela é autora do blog Kiosk da Joana.

  1. Conta-nos como foi o nascimento do teu blog. O meu blog nasceu num dia de férias! Em 2016 estava eu feliz e contente com dois dias de férias. Mal eu sabia que eram os únicos dias de férias que ia ter esse ano. Devo ter achado que estava com tempo livre a mais. E de repente, à tardinha, pensei: - E se tivesse um blog? A ideia não era nova. Já tinha tido montes de blogs. Mortos antes da publicação do terceiro ou quarto post. Não se esperava vida diferente para este. Tem andado meio adormecido mas ainda respira e já tem mais de 1000 posts publicados.
  2. Como tem sido a interação com outros bloggers? Excelente. É esta a magia de estar no Sapo. Mas, não só com outros bloggers, também com muitas das pessoas que visitam o blog. A parte melhor é essa…
  3. O que achas que leva as pessoas a gostarem do teu blog e a seguirem-te? Mistério. Mistério. Não sei. Suspeito que o mérito é do Vasco…
  4. Consideras que o teu blog está bem categorizado nos Sapos do Ano? Não sei quando nem como o Quiosque se tornou num blog de família. Não foi criado com essa intenção. Mas...fico feliz por estar nesta categoria. Sou cada vez mais uma pessoa de família. E por isso é natural que o blog reflita essa situação.
  5. Quem levarias contigo para a ilha de Adão e Eva? Sendo este um blog que concorre na categoria família, é óbvio que não interessa o destino, aliás nem sabemos muito bem para onde vamos, mas, temos a certeza que a viagem é feita com todos e por todos: Pedro, Alice, Mariana, Luísa, Vasco, Gabi, Liliana e Joana.

 

E ainda deixou-nos uma mensagem:

Caramelos!

Daqueles de nata, cremosos. BONS!

Lisboa.

Campo de Ourique.

Anos 80. Século passado.

 

Vivíamos num segundo andar. Numa das ruas principais do bairro.

Dois prédios abaixo do nosso prédio estava a mercearia do Senhor Zé.

Zé Maria. Vendia tudo e mais alguma coisa. Incluindo rebuçados de fruta.

 E caramelos.

Daqueles de nata, cremosos.

BONS!

Que ficavam presos no último dente da boca, aquele mesmo lá ao fundo onde a língua não chega.

 

A minha mãe fazia lá as compras e quando eu ia com ela o Senhor Zé Maria abria um frasco grande de vidro, tirava a tampa e dava-me rebuçados.

 Eu.

Escrutinava cada um deles.

A minha mãe olhava para mim com olhos furiosos. Sabia o que ia sair dali. E tinha medo do que ia sair dali.

Depois de examinar cada um dos rebuçados. Abria a boca.

A minha mãe ameaçava espancar-me com o olhar mas eu não queria saber.

- Ó Senhor Zé Maria podia trocar este rebuçado de laranja por um de limão e este pêssego por um de cereja ou de morango? Pode também acrescentar um caramelo??

Confirmavam-se os piores receios da minha mãe.

Já me tinha avisado. Falado. Conversado. Ameaçado.

- Quando nos dão alguma coisa, MESMO que não gostemos, aceitamos e dizemos obrigada!

Eu até percebia esta parte. Mas não ia ficar com os rebuçados de laranja que eram demasiado enjoativos e os de pêssego? Nem pensar. Não tinha feito mal a ninguém…

 

Às vezes.

 Muitas vezes.

A minha mãe chegava a casa e percebia que lhe faltava alguma coisa.

Ou então.

Era tarde. E tinha acabado o Tulicreme. Bem de primeira necessidade da minha pessoa.

Antes que o berreiro se instalasse lá em casa. A minha mãe. Ligava para a mercearia.

A magia acontecia.

A minha mãe atava uma corda a uma cesta e punha dentro de um saquinho, o dinheiro e uma maçã para fazer peso.

Baixava a cesta.

O Senhor Zé Maria. Estava cá em baixo à espera.

Tirava o dinheiro.

Depositava o Tulicreme na cesta. E o troco dentro do saco com a maçã.

Em cima. Eu. Aguardava com ansiedade que o milagre acontecesse.

A minha mãe puxava a cesta.

- Mais depressa. Mais depressa.

Gritava eu.

E a cesta lá aparecia.

Com o Tulicreme. A maçã e o troco. Ah! E uns rebuçados de limão, morango, cereja e caramelos! Daqueles de nata, cremosos.

 BONS!

Que ficavam presos no último dente da boca, aquele mesmo lá ao fundo onde a língua não chega.

Acreditem.

Escrever no Quiosque é mais ou menos como lançar uma cesta ao Senhor Zé Maria da mercearia do bairro de Campo de Ourique.

Sai um post escrito por mim. E fico à espera…

...na volta. Quando volto a espreitar.

As vossas visitas são como rebuçados de fruta. Limão. Morango e cereja.

Os vossos comentários são como caramelos.

Daqueles de nata, cremosos.

BONS!

Que ficam presos na minha lembrança e no meu coração.

 

Podem votar nesta final aqui

23.11.19

Finalistas 2019 - A Casa da Gorda

Hoje conversámos com uma das finalistas do Sapos do Ano, na categoria de Humor. Ela é autora do blog A Casa da Gorda.

  1. Conta-nos como foi o nascimento do teu blog. Foi um parto bastante simples, não foi preciso epidural porque quando cheguei já estava com muita dilatação e ao fim de pouquíssimos dias o meu corpo já tinha voltado ao seu estado natural, tal como estava antes do parto. Houve alguma estranheza de inicio, mas depois foi um processo de amor evolutivo, com algumas birras à mistura. O normal.
  2. Como tem sido a interação com os outros bloggers? A Gorda dará resposta a esta questão abusando da terceira pessoa. Tem funcionado para o CêRê7 e como a Gorda também considera ser a “namba one” da risota, parece um cunho interessante que a Gorda quer dar a esta espécie de entrevista. A Gorda não continuará para as restantes perguntas porque rapidamente lhe começará a doer a cabeça. A interação da Gorda com os restantes bloggers tem sido agradável, até ao momento não apareceu ninguém cujo passo merecesse ser acertado com uma manobra de kong fu teclado. Aliás, a Gorda tem sido extraordinariamente bem tratada e a simpatia de todas até deixa a Gorda como que abismada e sem palavras (coisa que raramente se dá). A Gorda tem um trabalho exigente que não lhe dá muita margem de manobra nem tempo disponível e quando está em casa ocupa-se de estar de befe ao alto a catar peças de Lego do chão. Ocasionalmente a Gorda consegue ler algumas coisas do mundo dos blogs e fica bastante satisfeita com o que se escreve por aí.
  3. O que achas que leva as pessoas a gostarem do teu blog e a seguirem-te? O que leva as pessoas a seguir-me terá certamente que ver com uma tendência dessas pessoas de fazer uma coisa que no estrangeiro dá pelo nome de stalking. É um bocado creepy, mas uma pessoa habitua-se a ver os seus conteúdos perseguidos online. Enquanto não me fotografarem a comprar papel higiénico, eu estou descansada. Quanto ao dizer que as pessoas gostam, não estou certa que gostar seja a expressão adequada. O que acontece é que o mundo está num estado de esquizofrenia extremo e as pessoas dão consigo a achar que já estão a ficar malucas, depois fazem uma visita à Casa da Gorda e percebem que há pelo menos uma gaja mais choné que elas. Saem dali como que aliviadas. Acho que é isso, é uma sensação de alivio que faz com que as pessoas voltem.
  4. Consideras que o teu blog está bem categorizado nos Sapos do Ano? Eu para ser sincera, atendendo aos conteúdos publicados e ao esforço envidado para apoiar as pessoas nas suas decisões de dia a dia, para que encontrem a felicidade e o equilíbrio interior, acredito que o segmento adequado para a Casa da Gorda seria o lifestyle. Contudo as pessoas lá sabem. 
  5. Quem levarias contigo para uma a ilha de Adão e Eva? Bom, eu se pudesse escolher não ia, mas é. Porque tanto quanto é do meu conhecimento isto é uma espécie de sítio em que a cultura gastronómica é muito fraca. Aquilo é mais cobras e maçãs e eu sou mais mousse de Oreo, leitão da Bairrada e presunto com melão. De qualquer modo se me arrastassem à força para um bote levava uma Kardashian (qualquer uma que eu não gosto de descriminar) e um taco de basebol. A Kardashian é entretenimento, assim podia fazer de conta que estava a ver TV todo o dia e o taco servia para arrear umas porradas na cobra sempre que a gaja me viesse com conversas ao ouvido e não me deixasse ouvir o programa.

 

E ainda deixou-nos uma mensagem:

Gorda, 36 anos, signo de pinheiro, ascendente de anão e estrela cadente de rabo. Acredito na paz no mundo e sonho com o dia em que o King Jong Pum patina engasgado com um écler fora do prazo.

Gosto de todos os pratos de bacalhau, menos bacalhau à Brás porque se me arrepia a espinha com o terrincar da cebola. Não gosto de estender roupa e de passar a ferro. Gosto de casas que já vêm com empregada. Não gosto de nódoas de pêssego porque custam a sair. Gosto de almoços e de sais para o estômago porque a pessoa às vezes custa a arrotar. Não gosto de couves de Bruxelas. Gosto de mousse de chocolate caseira. Não gosto de pessoas sonsas. Adoro pessoas que têm muito amor interior.

Normalmente os meus olhos não dizem nada, mas o oftalmologista refere que tenho meia dioptria no olho esquerdo. Provavelmente porque será meio lerdo face ao olho direito que, apesar de ver bem, sempre me pareceu ligeiramente torto.

Ao contrário dos meus olhos, o meu estômago fala bastante e por vezes começa com aquele discurso do “busrguidguiasgygs” que é quando já está com um ratito e fazia mesmo falta uma sande de torresmos para acalmar a fera.

Sei tocar flauta e ainda me lembro da letra do hino da alegria. Também tenho muito jeito com ioiós e monto estupendamente bem puzzles adequados a crianças com mais de 6 anos.

Suspeito que o meu QI esteja significativamente abaixo da média uma vez que não consigo completar um único teste de inteligência daqueles que aparecem na internet.

 

Podem votar nesta final aqui

23.11.19

Finalistas 2019 - Crónicas de uma mãe atrapalhada

Hoje conversámos com uma das finalistas do Sapos do Ano, na categoria Família, a Flora. Ela é autora do blog Crónicas de uma mãe atrapalhada.

  1. Conta-nos como foi o nascimento do teu blog. Se calhar vão ficar admirados se vos disser que o meu blog nasceu a 16 de julho de 2007, pois. Na altura o meu marido fã da vida de casados sabendo que eu gostava de escrever e espicaçou-me para criar um blogue. Já tinha tido alguns, mas tinha acabado de desistir por falta de tempo. Mas pensei que seria   uma boa forma de voltar a escrever e tentar ter uma certa disciplina na escrita. Inicialmente pensei fazer um sobre livros, mas a Bá tinha dois anos e absorvia grande parte do meu tempo. E porque não escrever sobre o que eu mais amava na vida: aminha filha.  E foi assim que nasceu. Entretanto depois do Gonçalo nascer, fui tendo menos tempo. Um dia acabei por perder a senha que tive que mudar por questões de segurança. Embora ainda não tenha desistido de recuperar, ia escrevendo num grupo que tenho no Facebook. Um dia estava a reler com a Bá as tropelias dela em pequena e ela quis um blogue a quatro mãos. A ideia seria ela escrevia e eu de vez em quando participava, um pouco por preguiça e por perfeccionismo dela, acabou por funcionar ao contrário: eu escrevo e de vez em quando ela participa, mas a ideia é ser o espaço dela. Foi assim que nasceu o Crónicas de Uma Filha Atrapalhada. Era o meu regresso e o da Bá aos Blogues desta vez a quatro mãos. Como aquele era o espaço dela e eu sentia que queria continuar a nossa história e não queria invadir o espaço dela com o irmão, criei então aquele considero a 2ª parte do meu blogue o atual Crónicas de uma mãe atrapalhada, que desta vez dá o protagonismo ao irmão, mas também à dinâmica da nossa família com uma criança especial e com os desafios que ela apresenta.
  2. Como tem sido a interacção com outros bloggers? Surpreendentemente boa. Sentia um pouco a falta desta interação dos blogues, de um sentimento de comunidade que só gera aqui nos blogues. Já não tinha quase cá ninguém dos bloggers com quem interagia. Uns tinham privatizado os blogues e tinha-lhes perdido o rumo. Alguns como C. dos Olhares azuis que esteve grávida da quarta filha dela ao mesmo tempo que eu do Gonçalo ainda consegui retomar o contacto. Outros simplesmente tinham deixado de escrever. Embora mantenha contacto com muitos no Facebook. Eu agora era uma completa desconhecida nos blogues. E foi bom ver que aos poucos fui sendo bem aceite pelos outros bloggers e estou a adorar conhecer esta nova comunidade de Bloggers. Até já adotei uma sobrinha desconhecida….
  3. Fiz grandes amizades aqui em 2007 e foi mesmo a saudade desta interação, deste sentimento de comunidade que me fez regressar.
  4. O que achas que leva as pessoas a gostarem do teu blog e a seguirem-te? Oh pá, lá vêm vocês com perguntas difíceis.  Honestamente não sei, mas, eu sou uma pessoa terra a terra, tento escrever com simplicidade, tento que aquilo que escrevo possa ser acessível todo o tipo de pessoas e escrevo com sentimento e com naturalidade.  Houve muitas pessoas que ficaram chocadas com a naturalidade que revelei que a Bá falou aos seis meses, mas foi com essa mesmíssima naturalidade que revelei que o meu filho tinha autismo. Da primeira, não me estava a gabar e do segundo não me estava a lamentar, estava apenas a revelar as coisas tal como aconteceram e como são.  A Bá tem o espaço dela e desta vez o protagonista do meu é o irmão. A ideia mais do que lamento ou desabafo era partilhar, dizer a quem começasse a passar por uma situação semelhante com a nossa, que não está sozinho, que com amor e união na família tudo se resolve de uma forma ou de outra. Também não sou nenhuma especialista e não queria tornar o meu blogue muro de lamentações, pelo que optei por escrever da mesma forma que sempre escrevi, pequenas partilhas espontâneas de momentos da nossa vivência. Os progressos do Gonçalo, a maravilhosa interação da Bá com o irmão, acho que tento que todos os meus sentimentos passem para a escrita, quer os bons, quer os maus e quem lê, percebe que é uma pessoa real por detrás de cada publicação. Por outro lado, acho importante sensibilizar a sociedade para a diferença de uma forma rigorosa, mas acessível a todos e também com uma pitada de humor. É claro que acho que quer o charme da Bá quer do Gonçalo também ajudam. ( sim sou uma mamã Gansa babada das suas crias). Ai! Se a Bá lê isto, diz logo que vou afogar as pessoas em baba.  E já agora uma grande obrigada e um grande beijinho aos que nos seguem e gostam de nos ler.
  5. Consideras que o teu blog está bem categorizado nos Sapos do Ano? Sem dúvida que sim. Se bem que já me disseram que os meus blogues têm também uma forte vertente educacional, eu não os ver nessa categoria.  É para mim em toda a sua essência um blogue de família.
  6. Quem levarias contigo para a ilha de Adão e Eva? Adão e Eva tinham uma Ilha? Não viviam no Paraíso? Ok Uma Ilha paradisíaca seja. Acham que eu iria aguentar muito tempo sem ter alguém para me pôr os cabelos em pé? Claro que levava a família toda.    Mas como eu e o pai apesar de não sermos muito empachado somos um apouco urbanos, dava jeito ter por perto o  Mac Giver da minha Geração em caso de emergência, tirava-nos de lá.

E ainda deixou-nos uma mensagem:

Pediram-me que escrevesse um texto sobre um tema á minha escolha e como por vários motivos estou a escrevê-lo na noite de Haloween, apeteceu-me escrever sobre magia.

Magia sim. Porque acredito em magia, não naquela dos ilusionistas nem truques mágicos do nosso Luis de Matos, sem lhe querer tirar o mérito. Mas não é dessa magia que quero falar.

A magia de que falo é uma mais subtil que existe no nosso dia a dia e nem nos apercebemos. Tenho tantos motivos para acreditar em magia. Um dia quando era pequena aprendi a magia de juntar as letras e de repente descobri a magia da leitura e da escrita e descobri o mundo mágico das letras e da imaginação.

Depois cresci e passei por aquela fase em que ser muito crescida é não acreditar em magia e tentar encontrar uma explicação racional para tudo. Depois cresci um pouco mais e descobri que às vezes a explicação estava mesmo na magia?

Como explicar que vemos uma pessoa uma vez e a partir da segunda vez ficamos juntos e continuamos. Magia é dizer que se tivesse uma menina adorava que se chamasse Bárbara e dias depois descobrir que estava grávida e uns meses depois saber que era de uma menina. Magia é sentir uma nova vida a nascer dentro de nós. Estou aqui pensar num certo companheiro de blogues que ao ler este texto dirá isso é Biologia. Biologia que seja, mesmo assim para mim não deixa de ser magia. Magia é ter um corpo que garante a vida de outro.

Magia é ver um ser pequeno e indefeso aos poucos conquistar-nos e tornar-se o nosso mundo e ver esse ser crescer ganhar asas. Magia é ver esse ser tornar-se o nosso braço direito. E então quando menos esperamos a magia acontece de novo, apesar de tão desejado, tão planeado, tão amado, a entrada de um novo elemento na nossa família.

 E de repente quando as nuvens negras de uma tempestade de tristeza e os trovões da revolta perante uma reviravolta de 180 graus na vida nossa família a ameaçam , é mesmo o que nos parece a ameaça que se transforma em magia e mesmo com todos os seus problemas, num jeitinho tão único, tão especial tão mágico, simplesmente com um sorriso, dissipa as nuvens, afasta a Tempestade, e os trovões e de uma forma que nunca imaginei  e a família une-se.  Juntos somos mais fortes e num toque de magia somos todos por um e u por todos. (Aprendi com os três Mosqueteiros ok? O  Dartacão veio depois.)

Magia sim.

 Porque o amor é uma forma de magia, e uma muito poderosa.

A magia existe: deixem-na entrar nas vossas vidas.

 

Podem votar nesta final aqui

22.11.19

Finalistas 2019 - Desabafos Agridoces

Hoje conversámos com uma das finalistas do Sapos do Ano, na categoria de Livros, a Sara. Ela é autora do blog Desabafos Agridoces .

Bem, devo começar por agradecer à produção por trás dos Sapos do Ano e a quem votou neste
blog para a categoria livros. De forma resumida, os eventos que me levaram até aqui
começaram algures nos anos noventa - quando as pessoas se divertiam segurando as disquetes
e fingindo que eram pistolas, abrindo e fechando a tampa dos telemóveis e cantando o Believe
da Cher. Enquanto isso eu desenvolvia uma paixão por livros e metia a língua no congelador
para ver no que dava. Eventualmente evoluí para uma opinitiva teenager que lia coisas sérias
e gostava muito de escrever...

  1. Conta-nos como foi o nascimento do teu blog. Quando descobri isto dos blogs achei que seria interessante ter um espaço para partilhar tudo
    o que tinha para dizer sobre assuntos! Então num dia de Verão particularmente aborrecido, há
    quase dez anos, decidi abrir um. Na altura ainda não se escreviam livros sobre como ter um
    blog de sucesso.
  2. Como tem sido a interacção com outros bloggers? Boa: algumas pessoas comentam, eu respondo de volta, às vezes elas dizem coisas queridas...Também uma vez por outra lá aparece alguém desagradável mas até ao momento nada de promessas de bordoada, como dizia o Eça.
  3. O que achas que leva as pessoas a gostarem do teu blog e a seguirem-te? Gosto de pensar que é porque eu tenho muita graça.
  4. Consideras que o teu blog está bem categorizado nos Sapos do Ano? Escrevo sobre tudo um pouco, mas uma boa parte acaba por ser sobre livros – como era de prever. Por isso, acho que sim.
  5. Quem levarias contigo para a ilha de Adão e Eva? Que ilha é essa? Coloquei no Google e aponto-me para um reality show onde pessoas aleatórias são atiradas nuas para ilhas…Bem, na eventualidade de eu ser atirada nua para uma ilha com um indivíduo, sei com certeza o que seria melhor levar: os meus livros feministas e uma cabeça de porco. Assim que o tipo me visse com um livro na mão, a comer marisco com o meu rabo gorducho repinpadamente sentado, fugiria a nado e eu ficaria com a ilha inteira só para mim. A cabeça de porco é só para o estilo, tipo Senhor das Moscas

 

Podem votar nesta final aqui

22.11.19

Finalistas 2019 - Guia do Envelhecimento Ativo

Hoje conversámos com uma das finalistas do Sapos do Ano, na categoria de Educação, a Luísa. Ela é autora do blog Guia do Envelhecimento Ativo.

  1. Conta-nos como foi o nascimento do teu blog. O Blog Guia do Envelhecimento Activo surgiu aquando da minha formação em Gerontologia e Educação Sénior. Queria partilhar os conhecimentos adquiridos na área do envelhecimento. Surgiu também da vontade de “desmistificar” a conotação negativa, estereótipos e preconceitos associados ao envelhecimento e mostrar que é uma fase normal da vida das pessoas e que podemos envelhecer de forma saudável e sempre activos. Podemos encontrar textos sobre o envelhecimento, saúde, moda 50+, beleza e exercício físico na 3ª idade.
  2. Como tem sido a interacção com outros bloggers? Tem sido maravilhosa toda esta interacção com outros bloggers da Sapo. Não encontro outra comunidade online com esta comunicação, com esta relação de amizade e cooperação.
  3. O que achas que leva as pessoas a gostarem do teu blog e a seguirem-te? Julgo que o mais importante é que a mensagem do blog – envelhecer ativamente -  chegue ao maior número de pessoas, mais jovens, menos jovens, porque o envelhecimento é a nossa próxima condição e quanto mais informados e preparados estivermos, melhor será esta etapa da nossa vida.
  4. Consideras que o teu blog está bem categorizado nos Sapos do Ano? Não me tinha ocorrido a categoria de educação, mas como não existe a categoria “envelhecimento”, creio que é a mais adequada.
  5. Quem levarias contigo para a ilha de Adão e Eva? As minhas amigas bem-dispostas, de mente aberta, lindas, jeitosas e  que estão a envelhecer como eu!

 

E ainda deixou-nos uma mensagem:

Está a preparar-se para envelhecer?

Sei que a palavra envelhecer pode causar desconforto na maior parte das pessoas.

Afinal, palavras como envelhecer, envelhecimento, velhice, velho, leva-nos para imagens de decadência, doença,  pele enrugada, corpo curvado, rabugice, e todas a conotações negativas que existem.

Esta forma de encarar a velhice, o envelhecimento e o velho, traduz-se amiúde em estereótipos, preconceitos ou discriminação, que por sua vez se transforma em idadismo (discriminação em função da idade) e em particular em velhismo (discriminação para com os mais velhos).

Porque não olhar para um idoso como um ser igual, mas mais velho, com sabedoria, experiência e que muito tem a oferecer?

E quando penso e imagino o envelhecer, vêm-me logo à mente personalidades que souberam envelhecer de uma forma que causa inveja a qualquer jovem ou adulto.

Penso especialmente nos meus pais, a iniciarem os 90, que “atravessaram” a 2ª guerra mundial, o salazarismo, o 25 de Abril e que continuam aqui, ativos, independentes e que ainda ajudam as suas filhas, genros, netas, e bisneta.

 O que fizeram para hoje serem um exemplo de vida a seguir?

Preparam-se para envelhecer!!!

Souberam aproveitar todas as fases da vida, têm uma auto estima elevada, sempre foram valorizados profissional, familiar e socialmente e sabem que ainda podem contribuir e muito!

Têm um objetivo de vida!

Contribuir, ajudar, mostrar que ainda são capazes de grandes proezas!

Souberam cuidar-se física e psiquicamente para estarem nesta última etapa da vida ao seu melhor. 

Tiveram e têm comportamentos e  atitudes saudáveis ao longo da sua vida.

E não se preocupam com discriminações, estereótipos ou outras formas de diminuição.

Ao contrário, fazem questão de mostrar e provar que ser velho é muito gratificante.

Está a preparar-se para envelhecer?

 

Podem votar nesta final aqui

21.11.19

Finalistas 2019 - Dona Pavlova na cozinha

Hoje conversámos com uma das finalistas do Sapos do Ano, na categoria de Culinária e Nutrição, a Ana Neves. Ela é autora do blog Dona Pavlova na cozinha.

Sem saber bem como e apanhada totalmente desprevenida, fui nomeada para os “Sapos do Ano 2019” na categoria Culinária e Nutrição.  E querem saber de uma coisa? Sou FINALISTA.

Fui, também, desafiada a fazer a minha campanha eleitoral, mas fiquem desde já a saber que não compro votos, não ofereço brindes nem refeições.

Pediram para responder a algumas perguntas:

  1. Como foi o nascimento do teu blog? O nascimento do blog “Dona Pavlova na cozinha” surgiu como um complemento ao blog “Dona Pavlova”. Este é um blog sobre a vida e os acontecimentos da vida, lá falo de tudo um pouco, mas senti a necessidade de criar um só para a minha grande paixão “a cozinha”. Assim, a gravidez foi programa e o nascimento foi rápido, indolor e sem epidural.
  2.  Como tem sido a interação com outros bloggers? Já conheci por aqui muita gente, muito boa gente. Adoro desafios e desde o princípio que me comprometi em alguns. Acho que esta parte é a mais interessante e desafiante, conhecer  e interagir com outras pessoas, algumas totalmente diferentes e com ideias divergentes das minhas. Acho ótimo e muito gratificante esta partilha  interação.
  3. O que achas que leva as pessoas a gostarem do teu blog e a seguirem-te? Esta é difícil, mas penso que toda a gente gosta  e precisa de comer e tento, sempre, apresentar receitas fáceis, rápidas e saborosas que se possam fazer no dia a dia. Talvez seja isso.
  4. Consideras que o teu blog está bem categorizado nos Sapos do Ano? Esta é fácil! Claro que sim, ou não fosse um blog de receitas.
  5. Quem levarias contigo para a ilha de Adão e Eva? Sem dúvida, a minha alma gémea, o meu maridinho ;)

Podem votar nesta final aqui

21.11.19

Finalistas 2019 - Cinco de cada vez

Hoje conversámos com um dos finalistas do Sapos do Ano, na categoria de Fotografia, autor do blog Cinco de cada vez.

  1. Conta-nos como foi o nascimento do teu blog. O blog nasceu da vontade de partilhar as dezenas de fotografias que se vão acumulando no disco externo. Sempre gostei de fotografar, levo a máquina para todo o lado e as imagens acumulam-se, pelo que me fez muito sentido começar a partilhá-las :)
  2. Como tem sido a interacção com outros bloggers? Por falta de tempo, a interacção com outros bloggers tem acontecido quase exclusivamente através da caixa de comentários. 
  3. O que achas que leva as pessoas a gostarem do teu blog e a seguirem-te? Creio que será a combinação de cada conjunto de cinco fotos com o texto que as acompanha. Cada post retrata um local que é depois sucintamente descrito. Há também duas ou três rúbricas que são recorrentes, como o Lisboa Menina e Moça, que mostra "pedaços" da nossa cidade e que me dá muito gozo fotografar e partilhar.
  4. Consideras que o teu blog está bem categorizado nos Sapos do Ano? O blog está muito bem categorizado, e nem poderia ser encaixado noutra categoria :)
  5. Quem levarias contigo para a ilha de Adão e Eva? Levaria a minha máquina para fotografar à vontade e assim recolher material para o Cinco de Cada Vez :)

Podem votar nesta final aqui

20.11.19

Finalistas 2019 - Insensato

Hoje conversámos com um dos finalistas do Sapos do Ano, na categoria de Educação, o Paulo. Ele é autor do blog Insensato.

Os Sapos do Ano são uma iniciativa levada a cabo pela Magda Pais e pelo David Marinho, cujos blogues estão alojados na Sapo, por forma a dar a conhecer blogues anónimos escritos em português, como pode ler aqui.

Neste ano, o Insensato ficou nomeado nas categorias Educação e Generalista. Atendendo aos poucos blogues sobre Educação, em Portugal, sem qualquer ligação sindical, partidária e sem interesses pessoais, está será a categoria a concurso. A nomeação deixou-me muito surpreendido. Por um lado, surgiu de forma inesperada e a categoria pareceu-me desajustada. O início do Insensato, que guardo no WordPress seria, a meu ver, a de Opinião/Generalista. Aliás, foi aqui onde comecei a escrever acerca de séries, numa tentativa de lutar contra o burnout e recomeçar, após tantas perdas. Ao analisá-lo em pormenor, constatei que, mesmo nas publicações referentes à análise de séries, a educação está presente. O blogue tem seguido esta vertente, pondo a nu muito do que se passa nas nossas Escolas, independentemente dos atores educativos visados. Aliás, o nome do blogue prende-se com a minha frontalidade, nem sempre bem entendida e pouco frequente na comunidade educativa.

Pessoalmente, prefiro os blogues comparativamente à maioria das redes sociais, que não passam de parcos big brothers e alimento para Egos inflamados, apesar do efémero. Como tal, a relação com os leitores torna-se válida quando consigo dar, por exemplo, uma dica a um aluno, encarregado de educação ou colega. Infelizmente, a profissão não me dá muito tempo para interagir com o número de bloguistas que gostaria. Só o tempo despendido em viagens e os perigos que acarretam. Do feedback recebido pelos leitores, a frase mais utilizada é “de Insensato o P.P. não tem nada. Bem pelo contrário.” Curiosamente, algo semelhante costumo ouvir por parte dos colegas mais novos ou da mesma idade, desde que efetivei, pouco depois do início do milénio. Não tolero injustiças, rótulos, discriminação, nem grupos de cascavéis, até porque não as posso usar numa das disciplinas que leciono. Esta faceta coloca-me em extremos, mas nunca num ponto intermédio, o que me apraz. Sou assim, nasci assim.

Agradeço a todos os que votaram em mim, sobretudo por pertencer a uma plataforma concorrente, mas também nos meus colegas a concurso. Em meu entender, o painel ficou muito bem formado, com bloguistas que se complementam e que têm diferentes formas de intervenção, em nome de uma sociedade melhor.

Por proposta da equipa, devo indicar quem levaria para a Ilha de Adão e Eva. Partindo do princípio que se trata da ilha do programa holandês, até porque as roupas e muitos dos bens materiais são acessórios fúteis, levaria felicidade, sementes, um grande pedaço de paz e amor, e muitos dos desprotegidos deste nosso mundo, quantas vezes tão perto de nós.

Até breve.

Podem votar nesta final aqui

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D